Continuidade, coerência e transparência na avaliação e desenvolvimento dos colaboradores

Neste post, falo da importância de garantir a continuidade, coerência e transparência da avaliação e desenvolvimento dos colaboradores e maneiras de como fazê-lo.

O time É um deliverable

Qual é um dos maiores riscos (se não o maior) num projeto de software? Segundo Tom DeMarco, um dos mais respeitados consultores e gerente de projetos do mundo, é não conseguir um time que seja capaz de trabalhar junto e resolver o problema. 99,9% do trabalho de um gerente é formar e manter uma equipe produtiva e motivada focada no projeto. Então, por que muitas empresas assumem esse risco se podem eliminá-lo completamente procurando uma equipe unida e pré-formada de um projeto anterior? Por que o time não é normalmente considerado um deliverable do projeto? Neste post comento essas perguntas e suas respostas

A Segunda Lei do Mal Gerenciamento

Tom DeMarco, um dos melhores escritores sobre gerenciamento na área de TI, avisou: “Se você deseja que um projeto falhe, se coloque na posição de seu próprio subordinado e faça parte do trabalho, ao invés de cuidar do projeto como um todo.” Já vi isso com tanta frequencia em novos líderes de TI, já que gerenciar é difícil e bons programadores tendem a serem promovidos a posições de liderança, que as pessoas agem como se isso fosse normal ou até esperado. Tem empresas em que a alta gerência até avisa: “Você é o nosso melhor desenvolvedor e está sendo promovido pra gerência da equipe. Mas isso não significa que você vai deixar de trabalhar, digo, programar. ” Neste post, comento um pouco sobre essa situação e digo como acho que as pessoas devem ser promovidas para a posição de líder.

Gestão Participativa – Como implantar

A gestão participativa pode envolver 3 dimensões da organização: Comportamental É nessa dimensão que ocorre a substituição do estilo tradicional de administrar pessoas – autoritário, indiferente, impositivo, paternalista – pelo da liderança, autonomia, cooperação e comprometimento.  Envolver, informar, delegar e perguntar em vez de mandar. Não cobrar e sim obter! Essas são as palavras-chaves para […]

Livro: Behind Closed Doors: Secrets of Great Management

A maioria de nós tem uma idéia do que NÃO se deve fazer como gerente. Mas, para ser um bom gerente, não basta evitar fazer coisas obviamente erradas. Bons gerentes ativamente procuram aprender o que fazer de certo e descobrir o que é errado mesmo que não pareça. O livro Behind Closed Doors de Johanna Rothman e Esther Derby mostra como deveria ser o trabalho de gerenciar uma equipe e dá dicas e esclarecimentos sobre parte do que é ser um bom gerente

Quando o feedback não funciona

Você é um líder que explicou o que esperava do colaborador, deu feedback quando ele não estava cumprindo o esperado, conversou com o RH e com seu chefe, deu feedback novamente e mesmo assim o colaborador continua rendendo abaixo do esperado ou tendo atitudes inaceitáveis. Nestas horas, as coisas nunca são facéis para ninguém e não há “soluções mágicas”. Apesar disto, uma das medidas possíveis é seguir um processo de recuperação ou desligamento com 3 ações simultâneas. Neste post, defino o processo e dou algumas dicas.

Recebendo feedback

Tanto quanto dar feedback, aproveitar bem o feedback que você recebe é uma arte onde é preciso prática e esforço. O segredo está em ajudar a pessoa que está dando feedback.

Feedback, feedback, feedback

Uma das coisas que acho mais difíceis de fazer é dar feedback. Bons feedbacks, mesmo difíceis e negativos, deixam uma experiência positiva, pessoas se sentindo satisfeitas e valorizadas. Se o feedback for mal dado ou, pior ainda, for omitido, o impacto pode ser desmoralizante e duradouro. Neste post coloco uma dica e os cuidados que devemos tomar ao dar feedback